Este Blog permanece ativo 24 horas por dia e somente informa os que aqui chegam, com assuntos que circulam pela internet e jornais. Não categoriza nem afirma isso ou aquilo como verdade absoluta. Não pretende desenvolver uma doutrina, nem convencer ninguém. Mas apenas que possamos refletir em assuntos importantes de nosso dia-a-dia. Portanto, tudo que for postado são de conteúdo informativo, cabendo a cada um ter suas próprias conclusões.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Gastamos muito dinheiro para tratar pessoas normais, diz psiquiatra.

Psiquiatra norte-americano Allen Frances

Milhões de pessoas sadias estão sendo prejudicadas com diagnósticos psiquiátricos equivocados e tratamentos desnecessários enquanto os que têm doenças mentais verdadeiras não têm acesso às terapias que precisam.

O alerta vem do psiquiatra norte-americano Allen Frances, 73, professor emérito na Universidade Duke, na Carolina do Norte (EUA), autor do livro "Voltando ao normal" (Versal Editores), recém-traduzido para o português.

Frances, que participa na quinta (15) de palestras no Rio de Janeiro sobre a sua obra, diz que a tendência atual é de uma sociedade em que todos, em algum momento, sofrerão de algum transtorno.

Sua crítica é centrada particularmente no DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), de 2013, um guia tido como a "bíblia da psiquiatria".

Frances liderou a versão anterior, o DSM-4, cuja diretriz foi tentar conter a inflação de diagnósticos, que já se espalhava na psiquiatria e na medicina em geral.

Folha - " O sr. diz que há uma tendência crescente de medicalização da vida, de excesso de diagnósticos psiquiátricos. Como voltar ao normal?

Allen Frances - Temos de aceitar que nem toda angústia humana é transtorno psiquiátrico e que não há uma pílula para cada problema. Muitas emoções e comportamentos são simplesmente parte da natureza humana.

Por exemplo: as pessoas no Brasil estão enfrentando neste momento muitos desafios na economia, na política, na saúde e nas questões sociais. Isso compreensivelmente causa angústia e ansiedade. Mas as soluções estão em melhores políticas, mais coesão social, menos corrupção e na nossa resiliência natural, não na medicalização desnecessária ou em pílulas mágicas.

Qual é a sua maior preocupação com o DSM-5? Corremos o risco de todos sermos considerados doentes mentais?

O DSM-5 expandiu ainda mais o que já era um sistema de diagnóstico muito vagamente definido. Tristeza normal, como o luto, por exemplo, torna-se transtorno depressivo maior; comer em excesso, torna-se transtorno da compulsão alimentar; ataques de birras de crianças podem se tornar "transtorno do temperamento irregular"; o esquecimento na velhice passa a ser transtorno neurocognitivo leve; e as crianças normais são diagnosticadas com déficit de atenção e hiperatividade.

Qual a influência que as grandes farmacêuticas exercem nessa tendência?

As multinacionais farmacêuticas não têm qualquer influência direta sobre as decisões do DSM, mas aproveitam qualquer oportunidade para criar novas desordens psiquiátricas. Se existir brecha no DSM para alguma coisa ser mal utilizada, isso vai acontecer. Eu acredito, por exemplo, que as farmacêuticas sejam as responsáveis por essas falsas epidemias de TDAH (transtorno do déficit de atenção e hiperatividade) e transtorno bipolar.

Como frear isso?

A indústria do tabaco foi domada quando o ultraje público se tornou mais poderoso do que seus grandes lobbies e patrocínios a políticos. A ganância das farmacêuticas está agora criando o mesmo tipo de indignação.

Essa nossa cultura hedonista, que busca o bem-estar a qualquer preço, também não tem participação nessa tendência?

Os maiores contribuintes para a "cultura da pílula" são as farmacêuticas, que empurram suas drogas, e os médicos descuidados ou com excesso de trabalho. Mas os pacientes também são responsáveis porque esperam uma solução medicamentosa rápida para os problemas da vida, que são complicados. A medicação psiquiátrica é essencial para tratar os verdadeiros problemas psiquiátricos, mas não são eficazes para os problemas cotidianos enfrentados pelas pessoas e pela sociedade. Um diagnóstico psiquiátrico preciso pode melhorar muito a vida de uma pessoa. Mas um impreciso provoca estigma e leva a tratamentos desnecessários.

O sr. diz que as pessoas que têm transtornos psiquiátricos graves estão sendo ignoradas. Como é isso?

Há um paradoxo preocupante. Gastamos muito dinheiro com tratamento para as pessoas normais, os "doentes de preocupação", que vão ser prejudicados por essas drogas, enquanto faltam recursos para quem está de fato doente e desesperado por tratamento. Dois terços dos que têm depressão severa não são tratados, e muitos dos que sofrem de esquizofrenia acabam na prisão ou nas ruas, sem moradia.

Remédios controlados são prescritos por médicos. Então, se há excesso ou má indicação, eles são responsáveis...

Os médicos precisam ser extremamente cautelosos na prescrição de quaisquer opiáceos ou benzodiazepínicos. Ele podem fornecer alívio de curto prazo da dor e da ansiedade, mas com enorme risco de morte e invalidez.

São crescentes os diagnósticos de doença mental em crianças. Elas estão mais perturbadas do que eram antes ou há excesso de diagnóstico?

A natureza humana é constante, os hábitos de diagnóstico é que são muito inconstantes. As crianças são as mais difíceis de diagnosticar porque elas mudam muito de semana para semana e respondem fortemente a circunstâncias externas.

O diagnóstico deve exigir um longo período de observação, muitos informantes, e tentativas de aconselhamento antes de considerar a medicalização.

Folha

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Daniel 4


10 Eis, pois, as visões da minha cabeça, estando eu na minha cama: Eu estava assim olhando, e vi uma árvore no meio da terra, cuja altura era grande;
11 Crescia esta árvore, e se fazia forte, de maneira que a sua altura chegava até ao céu; e era vista até aos confins da terra.
12 A sua folhagem era formosa, e o seu fruto abundante, e havia nela sustento para todos; debaixo dela os animais do campo achavam sombra, e as aves do céu faziam morada nos seus ramos, e toda a carne se mantinha dela.

Você sabe de onde vêm os minérios necessários para fabricação dos smartphones?

A young miner Olivier (DONT USE REAL NAME) about 14-15 years old (he did not know) works with other miners in the mining town of Pluto in Ituri Province to extract rock and sand from a large pit which has taken over a year to excavate. The miners are made up of many different people from all over Congo who come to seek their fortune. Fixer Pastor Marrion Pudongo +243999836650 marrionudongo@yahoo.fr

O tempo todo estamos utilizando smartphones e notebooks. Por meio desses aparelhos, temos quase sempre a “falsa” sensação de que estamos, de fato, conectados com o mundo. Seja porque temos um amigo na europa, ou um contato no oriente, fica parecendo que, de fato, o mundo é global para todos.
Mas, será que você saberia dizer alguma coisa sobre a vida das pessoas que trabalham na extração de minérios que são necessários para se fabricar nossa tecnologia de cada dia? Ou desse smatphone que você utilizou hoje em algum momento do dia.
Pensando nisso o fotojornalista britânico Marcus Bleasdale resolveu ampliar nossa visão do mundo por meio de suas fotos, que são basicamente de crianças, homens e mulheres que vivem na República Democrática do Congo, juntos trabalham para colher os minerais essenciais para a produção de smatphones.
O que pouca gente imagina é que essas pessoas trabalham em condições terríveis, colocando diariamente suas vidas em risco para que a nossa seja mais “conectada”, por meio da extração de minérios para fabricação de smatphones.
Miners eat lunch from a communal bowl in the mining town of Pluto in Ituri Province. They work here to extract rock and sand from a large pit which has taken over a year to excavate. The miners are made up of many different people from all over Congo who come to seek their fortune. Fixer Pastor Marrion Pudongo +243999836650 marrionudongo@yahoo.fr
Não foi fácil conseguir produzir e divulgar essas imagens sobre extração de minérios utilizados para fabricação de smatphones. Desde 1999 Marcus Bleasdale está em negociação com as empresas que trabalham nesse seguimento, que, certamente, não fazem muita questão de escancarar essa realidade para o mundo. O resultado do projeto foi publicado com título The Price of Precious na edição comemorativa de 125 anos da revista National Geographic.
“Toda a indústria tem que chegar a um ponto maduro, onde existem muitos mais minas que podem ser classificadas como minas verdes. E uma vez que ocorra essa massa crítica, então eu realmente sentirei que o povo congolês vai ver a diferença para aECONOMIA LOCAL. É apenas chegar a esse ponto de inflexão” conta Marcus Bleasdale a respeito da extração de minérios para fabricação de smatphones.
Vejam as Fotos
Miners work to extract soil and rocks from the large 500 meter pit in Baru, Mongbwalu. The gold in this valley was discovered in November 2012 and since then thousands of workers and traders and soldiers have arrived to look for their fortune. The owner of the land has sold his land in sections of 3 meters by 6 meters for 250 USD each section. Access to Gold has been the main reason for the conflict in ituri province. Fixer Pastor Marrion Pudongo +243999836650 marrionudongo@yahoo.fr
Miners and Traders cross the flooded river to the Gold mine in Baru, Mongbwalu. Recently discovered it has over 3000 miners working there extracting gold. Many of them are soldiers who have deserted and come to look for money. Whole families have relocated to be close to the mine. Fixer Pastor Marrion Pudongo +243999836650 marrionudongo@yahoo.fr
Child Miners deep in rebel controlled area Bavi look for gold. This gold is then smuggled to Uganda and sold to Ugandan military in exchange for weapons. The UN rates Cobra as a gun for hire and it seems he is in collusion with some Congolese FARDC troops and Intelligence officers to keep control of the mines at any cost to protect the illegal earning of the Congolese soldiers. Fixer Pastor Marrion Pudongo +243999836650 marrionudongo@yahoo.fr From the UN panel of experts report 2012 FRPI controls the gold mining site of Bavi from where, according to an ex-FRPI combatant and inhabitants of Bavi, the rebels generate profits through illegal taxation and the direct sale of gold. According to traders in Bunia, gold from Bavi is of superior quality in the region, which makes it easy to recognize. The main buyers are traders from Bunia and Butembo. FRPI also sells gold directly to Ugandan armed forces officers posted along the Congolese border. A regular client, cited by Congolese armed forces, militia members and a Lendu community leader, is a former Ugandan armed forces officer, Alex Mugisha. In exchange for gold, he has delivered arms and munitions to FRPI at the Semliki border crossing.
Miners in the mining town of Pluto in Ituri Province extract rock and sand from a large pit which has taken over a year to excavate. Then they filter the crushed rock through towels to extract the gold dust. The miners are made up of many different people from all over Congo who come to seek their fortune. Fixer Pastor Marrion Pudongo +243999836650 marrionudongo@yahoo.fr
A child soldier of the Mai Mai in Kanyabayonga during an offensive against the CNDP
Displaced flee from Rutshuru towards Goma as the town is attacked by rebel forces

FonteNational Geographic.
ImagensMarcus Bleasdale / National Geographic.

domingo, 15 de maio de 2016

Assustador - Jogos de Realidade Virtual.

0s Lugares Mais Fortemente protegidos na Terra

Há muitos lugares na Terra que são de difícil quase impossível de alcançar. Além de sítios naturais, entre eles muitas construções humanas, tais como abrigos subterrâneos  e bases de superfície e depositos privados. Vejam os mais protegidos.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Fim dos Tubos, de Oxigênio para Mergulho


O novo desenvolvimento do designer sul-coreano Jon Dzhebyuna, a máscara de oxigênio, o que lhe permite respirar debaixo d'água por até 45 minutos e mergulhar a uma profundidade de 4,5 metros.
Com o Triton, este é o nome do dispositivo, você pode esquecer os cilindros de oxigênio pesados ​​utilizados em mergulhos. O Triton opera com base no princípio das brânquias de um peixe, permitindo extrair oxigénio a partir da água.



Usar o dispositivo é bastante simples.  A água passa através de filtros especiais e um compressor à bateria, usa o oxigênio da água.
Os desenvolvedores dizem que no futuro poderão acoplar uma câmara ao dispositivo para armazenar o oxigênio recolhido, o que, sem dúvida, aumentará o  tempo de mergulho. Nós só estamos no começo, e em breve vamos ter um dispositivo que permitirá  mergulhar ainda mais fundo.


sábado, 12 de março de 2016

Mente sã, corpo são.

Não faz muito tempo de postamos aqui algo relacionado ao assunto. Pois bem, o artigo é do site Galileu e levanta a questão de como o emocional age sobre o corpo. Sabemos bem que este está ligado ao pensamento, a forma como resolvemos as questões e encaramos as situações e o mundo. Os sintomas vão muito além de mostrar que há algo errado com o corpo - há algo errado com a mente, com o emocional e é justamente isso que precisamos buscar solucionar equilibrar. Jogar para escanteio nossas emoções e se encher de rivotril não ajudam em nada...

Bom vamos ao artigo:
Aideia de que fenômenos emocionais levam a alterações físicas é antiga. Em 1628, o anatomista inglês William Harvey (1578-1657) observou que todo mal-estar sentido na mente era direcionado para o coração. Hoje se sabe que o inconsciente interpreta e responde ao que chega ao cérebro por meio das terminações nervosas do corpo. É o que acontece quando levamos um susto, por exemplo.
Contra uma possível ameaça, o cérebro dispara reações para enfrentá-la ou fugir dela. “O coração acelera os batimentos para redistribuir o sangue para os músculos correrem ou lutarem e para o cérebro processar com rapidez toda essa situação. É por isso também que, para oxigená-los, a respiração fica mais rápida. É o chamado estresse, que envolve o sistema nervoso, hormonal e imunológico”, explica Artur Zular, presidente do Comitê Multidisciplinar de Medicina Psicossomática da Associação Paulista de Medicina.
Sem a fonte estressora, o corpo volta ao normal. Mas em caso de estresse permanente as coisas se complicam: os órgãos podem se esgotar, adoecer e o sistema imunológico tem sua ação inibida, facilitando o aparecimento de asma, alergias, gastrite, infecções e problemas cardíacos.
Fontes: Artur Zular, Presidente do Comitê Multidisciplinar de Medicina Psicossomática da Associação Paulista de Medicina; Ricardo Monezi, pesquisador do Instituto de Medicina Comportamental da Unifesp; e Sérgio Hércules, vice-presidente da Associação Brasileira de Medicina 

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

As Industrias das Epidemias

Não começa ou termina um ano sem que alguma nova anomalia apareça, porém elas são cíclicas. Em geral são vírus  descobertos na antiguidade e que de alguma forma para lá de misteriosa voltaram a tona. O fato é que quando ressurgem das trevas do capitalismo lá estão as industrias prontas para “salvar” a humanidade. No ano passado foi o Ébola e agora é a vez do Zika.
Mais de dez empresas ligadas a máfia farmacêutica disputam esse novo mercado de epidemias na forma de vacina, porém a dinastia Rockfeller foi mais esperta no passado e não perdeu tempo. Prevendo a expansão desse novo mercado, em 1947 já patentearam o Zika. Talvez essa batalha pela patente justifica o capitalismo selvagem para a liberação de uma vacina nos dias atuais:
patente zika
Os EUA, com sua lógica capitalista de empréstimos associada a ONU, já preparam os bancos para movimentar a política econômica de juros epidemiológicos. Para isso a ONU com seu tom alarmista já faz a sua regressão linear estatística e estima um verdadeiro surto, especialmente no Brasil. Ora, em um país que absorveu a corrupção como cultura já dá para esperar o resultado…Governo, Infectologistas corruptos, os banqueiros e a máfia farmacêutica brindam o retorno dessa epidemia, pois suas viagens com muito glamour estão garantidas.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Efeito Estufa é desmascarado!

Assista este entrevista, 2012,com o professor de climatologia da Universidade Federal de Alagoas, Luiz Carlos Molion sobre as mentiras Illuminati sobre o clima global e deixa claro que a intenção é a implantação da Nova Ordem Mundial.

Indústria 4.0 – O que é isso?

Primeiro tivemos pontos de inflexão; então as mudanças de paradigmas passaram a ser a moda. Agora estamos ouvindo falar de uma nova Revolução Industrial – Indústria 4.0
   De acordo com seus proponentes, é um novo método de produção que está criando a quarta revolução industrial. Realmente, mas o que é isso?
   Voltando um pouco – exatamente 250 anos –  as melhorias de James Watt  para a máquina a vapor de Newcomen no século 18 rapidamente iniciaram a primeira revolução industrial. Watt não inventou a máquina a vapor, mas numerosas inovações que aumentaram a produtividade da indústria têxtil em três ordens de magnitude. As fabricas mecanizadas haviam chegado.
   A segunda revolução industrial veio com a introdução da linha de montagem por Henry Ford em 1913, a qual resultou num grande aumento na produção do modelo T – perto de 15 milhões de unidades até a época em que o modelo deixou de ser feito em 1927. Logo, outras indústrias da manufatura estavam usando as linhas de montagem para aumentar a eficiência e produtividade assim como cortar custos. Os dias da produção em massa haviam chegado.
   A Terceira Revolução Industrial resultou na introdução do computador no chão de fábrica nos anos 70, resultando no crescimento da montagem automatizada. Para o trabalho mecânico, os computadores gradualmente substituíram os humanos, outro ponto de inflexão maior na produtividade, hoje, espelhando praticamente qualquer função que pode ser automatizada, fábricas altamente automatizadas fazem os produtos eletrônicos complexos que usamos a um preço que podemos pagar.

Indústria 4.0
    Mas, espere – há mais. A visão da Indústria 4,0 é para os sistemas “de Produção Ciber-Físicos” nos quais,sensores espertos dizem para as máquinas como elas devem ser processadas; os processos devem governar a si mesmos num sistema modular descentralizado. Sistemas embutidos espertos começam a trabalhar juntos comunicando-se sem fio, tanto diretamente como via uma ”nuvem” na Internet – A Internet das Coisas (Thing Internet ou IoT) – para uma vez revolucionar a produção. Os sistemas centralizados rígidos de controle das fábricas cedem agora seu lugar para inteligência descentralizada, com a comunicação máquina com máquina (M2M) no chão de fábrica. Esta é a visão da indústria 4,0 da Quarta Revolução Industrial.
   O conceito de Sistemas Ciber-Físicos (CPS) foi pela primeira vez definido pelo Dr. James Truchard, CEO da National Instruments em 2006, baseado na representação virtual de um processo de manufatura em software. Em janeiro de 2012, o Ministro federal da Educação e Pesquisa da Alemanha formou um grupo de trabalho do projetar uma estratégia de recomendações compreensivas para implementar a”Industria 4.0”, um termo adotado pelo grupo. O projeto Industria 4.0 é agora parte da Estratégia de Alta-Tecnologia do Governo Alemão, que está ativamente mantendo contato com parceiros do setor privado. Discussões sobre a Indústria 4.0 tiveram uma etapa central na Feira de Hannover de abril deste ano. Deveremos ouvir alguma coisa deles em breve.
   A indústria 4,0 é atualmente mais do que uma visão do que uma realidade, mas tem potenciais para alcançar conseqüências, e o conceito continua para envolver as pessoas como idéias de meios inovativos para ser implementada. Algumas coisas, entretanto, já estão claras:
  • Sensores estarão envolvidos em cada estágio do processo de manufatura, fornecendo os dados assim como o feedback que são exigidos pelos sistemas de controle.
  • Os sistemas de controle industrial se tornarão cada vez mais complexos e amplamente distribuídos, possibilitando um processo flexível e minucioso dos processos.
  • Tecnologias de RF interligarão os módulos de controle distribuídos em redes sem fio, habilitando os sistemas a serem reconfigurados em operação, de uma forma que não é possível com sistema conectados por fios e em sistemas centralizados de controle
  • A lógica programável terá um aumento de sua importância, já que Serpa impossível antecipar todas as mudanças ambientais que os sistemas precisam conhecer para ter uma resposta dinâmica.
  • Dispositivos embutidos espertos conectados estarão em toda a parte e, projetá-los e programá-los será uma tarefa que vai ser um desafio, sem falar num interessante reprojeto.

   Muitas das técnicas e tecnologias necessárias à implementação da Indústria 4.0 já existem atualmente. Por exemplo, o rádio, sensores, módulos GPS usados em diversos outros campos, podem facilmente seguir placas de circuito impresso dentro do chão de uma fábrica. A reviravolta da Indústria 4.0 é que em lugar de simplesmente se colocar um tag RFID e seguir passivamente uma placa dentro de uma linha de montagem linear, o módulo poderá fornecer muito mais informações do que um chip com pequena memória. Se a resposta à consulta ao for que o chip está acabando no estoque, ele pode informar isso e então todas as outras máquinas na fábrica podem ser reprogramar para fabricar os produtos com as peças em estoque, enviando a informação a um fornecedor remoto de que um novo item é necessário, automaticamente sendo enviado à máquina certa a tempo. Ao mesmo uma segunda fonte de fornecedores pode ser alertada. O resultado pode ser enormes economias em tempo e custos sem afetar o que as fábricas podem fornecer.

Revolução ou Evolução?
   As Revoluções Industriais não ocorreram numa noite, e nem reconhecida como tal na época. Do seu lado, a Indústria 4.0 pode ser ou não ser reconhecida como revolucionária tanto como evolucionária no retrospecto. Assim, é é uma consequência natural da comunicação M2M tanto automatizar o chão de fábrica como suas predecessoras ela deve resultar em produtos de menor custo que significarão no fundo benefícios para todos.
   Tanto faz evolução como revolução, a produção industrial será muito mais eficiente. Fiquem ligados para mais desenvolvimentos excitantes. Melhor ainda, faça-os acontecer.

A Pressão que funciona

Como toda a gente sabe, a medicina chinesa é bastante sábia, afinal, trata-se de conhecimentos milenares.

O que se segue é uma técnica muito interessante feita a partir de pontos específicos dos nossos pés, já que eles estão ligados a vários órgãos do nosso corpo.

Sendo assim, se a gente estimular os pontos certos, podemos obter melhoras na nossa saúde.

Tai Chong, por exemplo, é um ponto localizado entre o dedo grande (dedão), e o segundo dedo do pé, exatamente como está na imagem que ilustra este artigo.


Pressiona estes pontos por 2 minutos e vê o que acontece ao teu corpo! É impressionante!

pointos_pes
  • Quando estimulamos este ponto estamos a:

  • Tratar dores de cabeça

  • Reduzir o stresse

  • Controlar a raiva

  • Aliviar dores lombares

  • Tratar pressão arterial elevada

  • Aliviar cólicas menstruais

  • Combater dores nos membros

  • Combater insónia e ansiedade

  • Ajudar o bom funcionamento do fígado

  • Melhorar os problemas digestivos

  • Combater dor genital

  • Aliviar dores na cabeça

  • Agir contra aftas

  • Tratar problemas oculares

Fantástico, não é?

Os cientistas chineses comprovaram até que a acupuntura no Tai Chong pode tratar com eficiência problemas de depressão.

Para desfrutar dos benefícios, faça o seguinte:

  • Deslize o dedo ao longo do espaço entre o primeiro e o segundo dedo do pé até chegar ao ponto em questão.

  • Feito isso, aplique certa pressão e massaje a área por 2 ou 3 segundos (sempre no sentido anti-horário)

  • Em seguida, dê uma pausa de 5 segundos.

  • Repita esse procedimento várias vezes até atingir o tempo de 2 minutos.

  • Nunca faça este procedimento quando se sentir fraco ou com pouca energia.

Muitofixe Via